Seja bem-vindo ao DeDentroPraFora. Aqui falamos da Metafísica atual e de como ela pode contribuir para que sintamos mais prazer em viver. :) :) :)



Artigos






Casulos ou armários?

Ana Maria Prandato - 19/03/2001


I - Entre o ser, o parecer e o aparecer

BRILHE !!!

"Sair do armário" é uma expressão bastante usada hoje em dia e significa, particularmente, a atitude de assumir e expor, aos olhos do mundo, uma opção de sexualidade tida como não convencional.

Isso dito assim, tão "literariamente", fica bem facinho,"né"? Facinho de escrever, facinho de ler... Claro e cristalino como a água - incolor, inodoro, insípido, moldável... Completamente indolor.

Quem sabe das dores são as criaturas que sentem esses armários como presenças reais - barreiras que, se por um ângulo sufocam e cerceiam, por outro protegem enquanto escondem.

Quem sabe das dores são os que sentem as hostilidades daqueles que pensam diferente - condenando e exigindo um passo atrás e, surpreendentemente, dos que estão no mesmo barco também - empunhando bandeiras e exigindo um passo à frente.

Permanecendo no armário ou saindo dele, sempre haverá custos - e benefícios.

E aqui começa, propriamente, o nosso assunto, pois essa questão não se refere apenas a opções sexuais, como podem supor alguns. De uma maneira ou de outra, todos nós usamos os nossos armários em determinados momentos ou situações da vida. Reconhecer e aceitar isso é o primeiro passo para podermos decidir se é menos doloroso sair ou ficar.

Trazemos dentro de nós aspirações, vontades, tendências, talentos - é a nossa alma a se expressar, é a expressão do nosso ser. Exercer essa nossa originalidade é o motivo de estarmos vivos, já que só alcançamos a verdadeira realização pessoal, chamada de felicidade, por esse caminho.

Mas, se acontece de recebermos respostas duras, hostis, justamente quando estamos expondo o que há de mais sensível em nosso íntimo - e isso freqüentemente acontece - dependendo do quanto estamos frágeis, recolhemos depressinha toda a nossa espontaneidade, que para nós passou a significar rejeição, sofrimento, e tratamos de aprender rapidinho o comportamento padrão, segundo o modelo que nos pareça menos perigoso. Daí pra frente vamos calar a nossa voz interior a cada vez que ela quiser gritar. Vamos arranjar um jeito de anestesiar essa dor. Vamos aceitar situações que nos limitam, que não têm nada a ver conosco, de verdade. Vamos nos esmerar em "parecer". É o armário.

Refletindo sinceramente sobre a nossa vida, percebendo os nossos medos e o nosso descontentamento, poderemos avaliar melhor quais são os custos e quais são os benefícios de, finalmente, nos decidirmos a "aparecer" para o mundo tal como somos - nada mais e nada menos.

II - E os casulos?

Chega uma hora em que a lagarta sente a necessidade da transformação, e então o isolamento começa, no trabalho natural da construção do próprio casulo que irá limitá-la temporariamente. Ela não está fugindo, ela está mudando. O casulo não esconde; nutre e possibilita a mudança, até que chegue o momento exato em que ele se tornará desnecessário e será abandonado.

Nós também temos nossos estágios em casulos. Ocasiões em que precisamos de um tempo mais nosso, para que possamos nutrir o nosso "eu" verdadeiro, tornando-o forte e invulnerável o bastante pra que não seja, mais uma vez, aterrorizado pelo mundo.

Fazemos isso muitas vezes, ao longo da nossa existência. É a nossa possibilidade de mudar, de transformar a nossa realidade, atendendo de um a um os anseios do nosso coração - a vida nos empurra nesse caminho e não há como ignorá-lo.

Veja!!! O casulo foi rompido! Você sabe, não existe mais a lagarta que há pouco rastejava, vagarosa. Ela se transformou numa borboleta graciosa e ágil, atenta aos predadores, mas ávida por liberdade - vôos, flores, luz, vida! E isso é muito bonito, muito significativo pra que ela se depare, de repente, com os sombrios limites de um armário fechado...



Comente este artigo Fale conosco

Sugira um tema



Quer enviar esta página
para um amigo?
Clique aqui!