Seja bem-vindo ao DeDentroPraFora. Aqui falamos da Metafísica atual e de como ela pode contribuir para que sintamos mais prazer em viver. :) :) :)



Artigos






* S u g e r i d o a p o r a l e i t o r e s

Sugira um tema



Questionamentos

Ana Maria Prandato - 22/11/2002


E aí?

Continuamos tendo o prazer de receber mensagens de alguns leitores que perguntam, expressam dúvidas e questionam os conceitos metafísicos.

Vemos isso como altamente positivo e bastante saudável, pois acreditamos que nenhuma fé deva ser cega, e que temos não só o direito, como também a responsabilidade, de usar a nossa própria inteligência e o nosso discernimento para escolher se queremos ou não acreditar em alguma coisa.

Então, vejamos mais um desses e-mails que trazem valiosa colaboração, por indicarem temas de maior interesse.

Como sempre, lembramos que este site expressa a nossa maneira pessoal de interpretar a Metafísica e de sentir a vida neste presente momento, e que o objetivo principal deste trabalho não é convencer pessoas, mas sim convidá-las a experimentar pontos de vista diferentes.



-----Original Message-----

From:
Sent: Sexta-feira, 8 de Novembro de 2002 21:03
To: dedentroprafora@bol.com.br
Subject: Dúvidas

Olá, Ana Maria,já escrevi para vc antes e agora venho com alguns outros questionamentos.

Em primeiro lugar,gostaria de saber se vc conhece algum grupo de estudos ou escola de Metafísica em Porto Alegre pois estudo Psicologia e seria muito interessante aprender este assunto que muito me interessa!

Mas a dúvida é a seguinte: a Metafísica está apoiada na idéia de que tudo o que nos acontece fora é um reflexo do que está dentro da gente.Porém, tenho observado a vida de muitas pessoas a minha volta e às vezes me parece que o oposto acontece: um fato externo impulsionando uma mudança de crença e atitude.É o caso de uma amiga que estava em uma relação onde era bastante desvalorizada,ou melhor,ela se desvalorizava.Porém,de um dia p/ outro conheceu uma pessoa que a tratou feito uma rainha e,desde então,sua auto-estima deu um salto.Fiquei c/ esta dúvida,porque sei que esta moça não investe em seu autoconhecimento,ela vive a vida sem se questionar muito,então não consigo entender como poderia ter havido uma mudança de crenças que a fizesse atrair uma situação tão favorável.Aguardo sua resposta e agradeço desde já! Um abraço,


I - É mais...

Segundo a Metafísica atual, não apenas "tudo o que nos acontece fora é um reflexo do que está dentro da gente", mas a coisa é ainda maior : construímos os fatos, materializamos ou desmaterializamos os acontecimentos, atraímos ou abortamos situações, aceitamos ou adiamos experiências necessárias - tudo isso unicamente dentro dos limites da nossa própria vida.

E convivemos, e interagimos com os outros - que estão fazendo o mesmo em suas vidas - cada um de nós mais ou menos aberto e receptivo a determinados assuntos, com um maior ou menor grau de confiança e disposição para assumir riscos e aceitar mudanças em determinadas áreas, exercendo e recebendo influências que podem resultar em prazer ou dor. Cada um de nós criando os próprios resultados, seja por meio da iniciativa ou da omissão. Tudo sempre acontecendo numa harmoniosa e perfeita conexão que promove o desenvolvimento de todos, ainda que a aparência seja de caos, desolação ou retrocesso.

Parece muito forte, não é? Mas não há nada de morbidez e nem de ingenuidade nessas afirmações.

Ao estudarmos a respeito de "energia", começamos a compreender a força criadora/destruidora que está em tudo - e que provém, inclusive, dos nossos pensamentos, mesmo daqueles mais fúteis e aparentemente inconseqüentes. Funciona assim: ao pensarmos, provocamos em nós uma sensação, e é a qualidade dessa sensação que vai determinar a qualidade da energia que emitimos. Essa energia, por sua vez, vai estabelecer uma ligação direta e instantânea com energias compatíveis, e assim entramos e saímos de diferentes campos energéticos (que, apenas para efeito didático, vamos classificar como sendo positivos ou negativos). Irradiamos energia o tempo todo - podemos dizer até que, em certos casos, disparamos energia, promovemos verdadeiros bombardeios - conscientes ou não. O fato de não termos consciência da totalidade do nosso poder interior não faz com que ele deixe de atuar.

Quanto mais convicção e constância pusermos em um pensamento (que aqui chamamos de crença), mais estaremos remetendo ao nosso inconsciente um "programa", uma ordem que leva o nosso aval, como se tivesse um carimbo de "CUMPRA-SE", e as materializações ou desmaterializações partem daí.

Mas por quê, então, às vezes parece tão difícil conseguirmos bons resultados, se já pensamos de uma forma diferente?

Mesmo não entendendo muito de informática e de computadores, sabemos que a instalação de novos programas em determinada máquina pode causar algum tipo de conflito ou incompatibilidade com instalações anteriores - uma pode comprometer, descaracterizar ou mesmo anular a outra - solicitando a reavaliação da importância de instalarmos o novo programa, bem como da real necessidade de mantermos o antigo, muitas vezes exigindo que um seja removido para que o outro possa funcionar. Toda essa tecnologia, que tanto pode fazer com que fiquemos maravilhados, quanto pode causar algumas "dores de cabeça", é um exemplo eficaz daquilo que acontece dentro de nós.

Quando uma nova crença é incorporada, ela vai fazer conexão (via energia) com outras crenças anteriores - vai somar forças (potencializando a energia), ou vai se confrontar; vai atrair aspectos compatíveis e repelir antagônicos - e assim pode acabar fortalecida ou enfraquecida, sempre dependendo daquilo que já temos dentro de nós, e que pode funcionar como resistência (que, de uma maneira simples, podemos entender como sendo um dispositivo automático, ativado para defender a suposta integridade do nosso "sistema" - segundo nossos próprios valores).

Conexões... conflitos... potenciações... anulações... caramba!!! Quanta coisa acontecendo dentro da gente, determinando por onde irá o nosso destino... Mas, e enquanto isso? A vida pára?

Não, nada pára - nossa criação é contínua e constante. Enquanto novas crenças não entram efetivamente em vigor, continuam valendo as mais fortes dentro de nós, produzindo os efeitos repetitivos que já conhecemos bem (aqueles que consideramos positivos e os que consideramos negativos).

Parece muito estranho, muito louco? É que aqui estamos tratando desse processo de um modo didático, tentando dissecar alguns conceitos passo a passo, mas, na verdade, tudo é ultra dinâmico e acontece muito rápido, a ponto de nem percebermos nossa participação.

Nosso poder de atuação é muito maior do que costumamos avaliar. Crenças favoráveis criam situações favoráveis, crenças limitantes criam situações limitantes. Isso revela o porquê de existirem, na vida de uma mesma pessoa, áreas ricas e férteis, enquanto outras são insatisfatórias ou mesmo miseráveis.

Se até aqui está claro, podemos concluir, conforme a Metafísica atual, que não existe a possibilidade de qualquer coisa nos acontecer sem que tenha partido de nós mesmos - sempre de dentro pra fora.

Mas, e a ajuda? E as bênçãos que revigoram e estimulam? E os presentes da vida, que indicam estarmos fazendo o melhor que podemos? Tais coisas não existem?

Não só acreditamos que existem, como já tivemos inúmeras oportunidades de vê-las acontecendo, reais e surpreendentes, no nosso dia-a-dia - e deve ser igual com você, provavelmente. Mas vale uma observação importante: atrair e receber ajuda, bênçãos e presentes também depende da nossa energia, que é relativa à nossa postura interior, àquilo em que acreditamos. Mais uma vez, é de dentro pra fora.


II - Os escolhidos

Para quem gosta da Metafísica atual, para quem encontra por intermédio dela respostas convincentes e novos caminhos, pode ficar a pergunta: "E o que será daqueles que não a conhecem, ou que preferem ignorá-la?"

Acreditamos que o desenvolvimento de todos os seres, de um a um, rumo a um nível de conscientização e de lucidez cada vez maior (evolução), é de interesse, sobretudo, da Vida - e que ela própria providencia os meios e as oportunidades para que esse desenvolvimento ocorra.

Se observarmos livremente, sem qualquer comprometimento com os "kit-certezas" defendidos pelos mais variados grupos (intelectuais, científicos, culturais, sociais, religiosos, etc), veremos que os mesmos conceitos - que soam dentro de nós como verdadeiros - aparecem simultaneamente em campos diferentes, que aparentemente não têm nenhuma afinidade ou comunicação entre si. São fragmentos de uma mesma verdade chegando de muitas formas, para quem tiver atualizado os seus "ouvidos de ouvir".

Além disso, acreditamos que todos nós, aqui no Planeta, já somos "bem velhinhos de estrada" e trazemos muitas informações adquiridas anteriormente, ainda que tenhamos optado por não colocá-las em prática até agora.

E mais: a Metafísica atual, bem como outras linhas de estudo, fala da existência de um centro de sabedoria infinita - um incomensurável banco de dados - ao qual estamos todos conectados naturalmente, com acesso autorizado sempre que nos concentrarmos em ouvir a nossa "voz interior" - a nossa alma se manifestando.

Por tudo isso, pessoalmente entendemos que não há "escolhidos", no sentido de privilegiados - indivíduos ou grupos contemplados com a posse da verdade. O que a Vida quer que saibamos, ela vai espalhando por aí, e as informações vão chegando até as pessoas do modo que cada uma delas possa compreender melhor.

Se nos mantivermos independentes e se tivermos boa-vontade para ver, poderemos observar que tanto crianças bem pequenas quanto pessoas que consideraríamos "muito simples" (pela condição social ou cultural), mesmo vivendo longe dos grandes centros e não dispondo dos meios modernos de comunicação, possuem uma sabedoria que é delas, da qual se valem e que podem expressar em palavras ou atitudes, do seu jeito, desde que não se limitem a repetir aquilo que dizem os outros e que tenham a coragem de seguir seus próprios pensamentos e sentimentos. Com isso, poderemos chegar às nossas próprias conclusões.

Do que é que vale, então, a dedicação ao estudo sistemático, buscando o auto-conhecimento? Parece que tudo acaba do mesmo tamanho...

No caso da Metafísica atual, ela representa um eficiente atalho para que possamos chegar mais depressa, com maior facilidade e com menos sofrimento à uma situação de vida mais próspera e prazerosa em todos os sentidos, por meio do desenvolvimento da consciência. Mas ela também representa um alerta para todos nós: "Olhe bem... Não fique apenas nas considerações intelectuais... Isto aqui não é cultura, é exercício que só funciona quando posto em prática. Não se prenda ao mental, sinta, comunique-se com você. E solte-se, viva, porque não há outro jeito de aprender a viver melhor."

Do nosso ponto de vista, a grande finalidade da Metafísica atual não é explicar a vida, mas sim fornecer ferramentas para que possamos atingir resultados mais favoráveis, interagindo com a vida de uma forma mais lúcida e inteligente, à medida em que buscamos conhecer e utilizar os poderes que já trazemos dentro de nós.


III - A dúvida

É bem comum vermos pessoas à nossa volta que não investem no auto-conhecimento, não se questionam muito e ainda demonstram crenças prejudiciais a si mesmas - como diz a nossa leitora, no e-mail que nos enviou - e que, no entanto, de repente aparecem com novidades boas, como se fossem presentes vindo na contra-mão, isto é, de fora para dentro. "Como poderia ter havido uma mudança de crenças que as fizesse atrair uma situação tão favorável?"

Essa questão é bastante interessante, principalmente porque pode revelar algumas coisas importantes sobre nós mesmos.

Parece que a grande pergunta, aqui, é a seguinte: Por que alguns recebem resultados tão bons de graça, sem nenhum esforço, enquanto eu me empenho sinceramente e não consigo?

Poderíamos considerar que ela já foi respondida em parte, quando falamos a respeito de mudança de crenças e de energia, lá no primeiro tópico. Mas neste ponto estão começando a aparecer umas dúvidas reveladoras... Vamos dar uma olhada nelas com atenção, pois embaixo desse angu pode ter caroço...

Se alguns recebem coisas boas sem terem feito nadinha para isso, é sinal de que alguém está levando vantagem, está sendo privilegiado, certo? Se a Vida permite que isso aconteça, é porque protege e agrada mais a uns do que a outros, ou se agrada - gosta - mais de uns do que de outros, não é? Se tem gente levando vantagem, sendo tratada com privilégios, recebendo proteção e carinhos da Vida, enquanto nós somos praticamente ignorados, será que seríamos vítimas de alguma coisa???

Olha aí a nossa crença em vítima aparecendo, firme e forte! Olha a auto-desvalorização, a desconfiança... Será que estamos até um pouco (ou muito) ressentidos com a Vida? E como andará a nossa energia? Será que é por isso que não estamos conseguindo trocar as crenças, conforme queremos?

Teoricamente já sabemos que, na visão da Metafísica atual, ninguém é vítima de nada, uma vez que somos chamados a assumir a responsabilidade por tudo aquilo que nos acontece, como repetimos com freqüência. Também sabemos que a Vida não faz distinção entre as criaturas, e que há de tudo para todos. Só que conhecer a teoria é uma coisa e praticá-la é outra - e o que vale, mesmo, é a prática.

Pode ser que tenhamos feito uma limpeza superficial, abolindo crenças que alimentam o vitimismo, sem percebermos que a maior delas escapou das nossas vistas e continua arrumando confusão pro nosso lado. Claro! Se acreditamos que somos vítimas logo da Vida (que aqui tem o mesmo significado de Deus), e se, pra piorar, ainda ficamos ressentidos com ela - "Estou de mal com você, viu, Vida!" - o que é que podemos esperar?

Que legal! É muito bom quando encontramos esses nozinhos escondidos lá no fundo, porque desatá-los pode significar um novo ponto de partida, com maiores possibilidades de sucesso.

Pra finalizar, vejamos o que pode estar acontecendo em casos como o do exemplo citado - alguém alcançando um resultado muito bom, sem que tenha feito, aparentemente, nenhuma mudança interna para isso.

Pois bem, no que se refere a computadores, já sabemos que não é prudente abrir um arquivo sem que tenhamos um bom antivírus atualizado, não é? No nosso caso, podemos observar a vida dos outros para fins de estudo, mas também é necessário que tenhamos um "antivírus" potente, para que não acabemos envolvidos com as energias que estão rolando na vida da pessoa, e que podem representar sérios riscos pra nós. Esse "antivírus" é composto da seguinte forma: em primeiro lugar, nada de julgamento - é só pra olhar, sem ficar achando que está certo ou errado; também não é pra interferir, querendo mudar as coisas; por último, nada de comparações, que acabam depreciando um ou outro lado, sendo computadas pela Vida como desvalorização.

Esclarecemos ainda que são apenas hipóteses, já que não é possível saber com certeza o que se passa, realmente, na vida do outro.

1 - Essa pessoa citada como exemplo pode ter um bom suporte interno, construído anteriormente (um bom conjunto de crenças favoráveis, do tipo: "Eu sou forte. Eu consigo as coisas que quero. Eu posso cuidar bem de mim. Tudo tem jeito. Deus sempre me ajuda."), apesar de ter, por qualquer motivo, permanecido durante algum tempo na desvalorização pessoal.

O sofrimento causado pelo relacionamento afetivo ruim, onde ela se via desvalorizada pelo parceiro, pode ter ajudado a detonar alguma crença desfavorável.

Isso pode ter acontecido de uma maneira simples - uma mudança de postura interior, a partir de um pensamento "sentido" profundamente - qualquer coisa assim: "Chega!!! Não vou mais ser maltratada por ninguém! Eu é que vou gostar de mim, agora. Não quero mais saber de porcaria, vou me dar do bom e do melhor, porque eu mereço!!!"

Pronto! Se alguém enfia isso na cabeça com toda a convicção e fica firme, sem voltar atrás, mantendo o mesmo sentimento forte no coração, o milagre está feito.

2 - A Metafísica atual fala também da falsa prosperidade. Isso acontece quando insistimos muito em querer alguma coisa que ainda não temos cacife pra ter, por não termos o suporte interior necessário.

Ou então essa coisa não é um desejo verdadeiro da nossa alma, mas sim um desejo do ego, menos interessado em realização pessoal e mais a fim de fazer uma bela figura.

Como estamos obcecados, iludidos, acreditando que a nossa felicidade depende dessa conquista, a Vida permite que ela se materialize, e que depois "quebremos a cara", pra podermos ver mais claramente que não é por aí.

Então, aquilo que, de fora, parece um presente, na verdade é uma lição, que pode ser bem dura.

Ainda assim é bom, pois as ilusões são apenas atrasos de vida, sem que nos tragam nenhum benefício.

Bem, ficamos por aqui. Há bastante material para refletirmos, se quisermos. E há, sobretudo, novas perspectivas, possibilidades de mudanças - tudo contribuindo para que possamos construir uma vida mais feliz.

É a velha história de que cada um colhe o que plantou - mas, desta vez, com a consciência de que só colhemos aquilo que plantamos dentro de nós.





* Leitores de vários estados brasileiros nos escrevem, pedindo informações sobre cursos ou grupos de estudo da Metafísica atual em suas cidades. Como não temos esse conhecimento, podemos apenas informar a respeito do que conhecemos aqui em São Paulo.
Se você souber onde se estuda a Metafísica atual, aí na sua região, escreva-nos e repassaremos os endereços aos interessados.




Comente este artigo Fale conosco

Sugira um tema



Quer enviar esta página
para um amigo?
Clique aqui!